ONDE ESTOU: INÍCIO INSTITUCIONAL VOLTAR
Sobre a Celg Distribuição

Nossa História

A Celg Distribuição – CELG D distribui energia em todo o estado de Goiás, em um território que cobre mais de 337 mil km². O mercado da CELG inclui 237 municípios com uma população de 6,2 milhões de pessoas. A base de clientes da CELG, de 2,9 milhões, é atendida por meio de uma rede de mais de 200.800 quilômetros.

A Celg hoje é uma empresa do Grupo Enel, multinacional de energia presente em mais de 30 países e com atuação nos segmentos de distribuição, geração e soluções de energia.

Enel no Brasil

A Enel atua no Brasil por meio de suas subsidiárias Enel Brasil e Enel Green Power Brasil (“EGPB”), ambas com sede em Niterói, no Estado do Rio de Janeiro. A Enel Brasil possui operações nos Estados do Rio de Janeiro, Ceará, Goiás e Rio Grande do Sul, nos segmentos de distribuição, geração, transmissão e soluções de energia.

Através da Enel Brasil e da Enel Green Power Brasil (EGPB), o Grupo Enel tem uma capacidade instalada total de 1,6 GW, com mais de 1,3 GW proveniente de energias renováveis – 400 MW de energia eólica, 12 MW de energia solar fotovoltaica e 890 MW de energia hídrica – fazendo da empresa o maior player de energia solar e um dos principais em energia eólica do país. A Enel também possui mais 442 MW de projetos eólicos e 807 MW de projetos solares atualmente em execução. Por meio da Enel Green Power Cachoeira Dourada, a empresa opera uma usina hidrelétrica de 658 MW no estado de Goiás.

A Enel distribui energia a 10 milhões de clientes no Brasil por meio da Enel Distribuição Rio (RJ), Enel Distribuição Ceará (CE) e Celg (GO). A Enel Brasil opera ainda a usina térmica de 319 MW Enel Geração Fortaleza (CE) e controla a empresa de transmissão Enel Cien (RS) e a empresa de soluções em energia Enel Soluções.

História

No dia 16 de fevereiro de 1956 foi criada a empresa Centrais Elétricas de Goiás S.A. A partir de 13 de março de 1956, por meio do Decreto Federal Nº 38.868, a Centrais Elétricas de Goiás S.A. foi autorizada a funcionar como concessionária de serviços públicos de eletricidade, atuando como geradora, transmissora e distribuidora de energia elétrica.

Em 1955 teve início a construção da Usina Hidrelétrica de Rochedo, para atender Goiânia e localidades do Sul do Estado. Com potência de 4 MW, a UHE Rochedo entrou em operação em 1956.

Além da missão de eletrificar o Estado de Goiás, coube à Celg a responsabilidade de construir a geradora que viria suprir a Capital Federal em início de implantação. Assim, ainda em 1956 foi deflagrado o projeto da UHE Cachoeira Dourada, cuja motorização ocorreu em 1959, com 32 MW de potência instalada.

O desenvolvimento do Estado a partir da mudança da Capital Federal exigiu da Celg o investimento no aumento da produção de energia e a implantação de um sistema elétrico que atendesse à crescente demanda. Dessa maneira, entre 1965 e 1970 entrou em operação a segunda etapa de Cachoeira Dourada, com 156 MW.

Na década de 70, construiu-se a terceira etapa de Cachoeira Dourada, agregando 255 MW ao sistema, e um conjunto de obras de grande porte em 138 e 230kV, principalmente no Sul e médio Norte.

Em 1989, com a divisão do Estado de Goiás ao Norte do paralelo 13, as instalações da empresa, que incluíam linhas e subestações de 138 KV, 69 KV e 34,5 KV, redes urbanas e rurais, além das centrais hidrelétricas já citadas, totalizando 24,92 MW, foram transferidas para o novo estado do Tocantins.

Na década de 90, foi concluído o aproveitamento de Cachoeira Dourada com a construção da quarta etapa, acrescentando 200 MW ao sistema.

Desverticalização

Em 2004, a lei federal nº. 10.848, determinou a segregação das diferentes atuações das concessionárias de energia elétrica no País. Assim, as empresas tiveram que ser desverticalizadas para representar atividades distintas.

Por meio da Resolução 643, de 23 de julho de 2006, a Aneel aprovou a segregação das atividades da Companhia Energética de Goiás (Celg), numa companhia de distribuição designada Celg Distribuição S.A. e numa subsidiária de geração e transmissão, denominada Celg Geração e Transmissão S.A.

Privatização

Em novembro de 2016, a Enel Brasil - subsidiária da multinacional italiana Enel S.p.A. - venceu o leilão público para privatização da Celg Distribuição, realizado pelo Governo Brasileiro por meio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Em 14 de fevereiro de 2017, a Enel Brasil finalizou a aquisição de aproximadamente 94,8% do capital social da distribuidora. Com a compra, a base brasileira de clientes da Enel aumentou de sete milhões para dez milhões, enquanto também subiu o número de clientes atendidos pelo Grupo globalmente para, aproximadamente, 65 milhões.